O apoio a uma política comum de segurança e defesa entre os Estados-membros da UE atingiu assim o seu “segundo nível mais alto” desde que a primeira pergunta foi formulada no outono de 2004 e ainda não tinha rebentado a guerra à data do inquérito, destacam as conclusões do Eurobarómetro.


Para os cidadãos europeus, o ambiente e as alterações climáticas (26%), o aumento dos preços, a inflação, o custo de vida (24%) e a imigração (22%) foram, por esta ordem, os assuntos mais prementes que a UE enfrenta, de acordo com um estudo de opinião realizado entre 18 de janeiro e 14 de fevereiro, informou hoje a Comissão Europeia num comunicado.


Outro dado sublinhado pelo executivo do organismo comunitário é que 41% dos investigadores citaram os preços, a inflação e o custo de vida como um dos problemas mais importantes do país em particular, à frente da saúde (32%) e da situação económica (19%).


A preocupação com a inflação e a subida dos preços aumenta assim em 18 pontos percentuais, convertendo-se no principal problema detetado a nível nacional e é considerado como um dos três problemas por cidadãos de 25 Estados-membros.


As menções à oferta de energia também aumentaram a nível nacional, passando da 13.ª para a 6.ª posição.


A maioria dos cidadãos continua satisfeita com as medidas tomadas pela UE pelo seu governo nacional para combater a pandemia, mas esta opinião perdeu terreno em relação à primavera de 2021.


Uma tendência semelhante é vista na confiança de que a UE vai tomar as decisões certas no futuro em relação à sua resposta à pandemia da covid-19, que é agora a opinião de seis em cada 10 europeus.


Os europeus estão agora menos otimistas na sua estimativa do tempo necessário para que o seu país se recupere economicamente da pandemia, aumentando em 10 pontos percentuais a dimensão de entrevistados que pensam que a recuperação vai ocorrer em 2023 ou mais tarde em todos os Estados-membros.


Mais de metade dos europeus acredita que o plano de recuperação da UE, NextGenerationEU, de mais de 800 mil milhões de euros, será eficaz, embora tenha havido uma ligeira reação nesta questão.


No entanto, quase sete em cada 10 europeus (69%) apoiam uma reunião económica e monetária europeia com a moeda única e o apoio chega a 77% na área do euro.


A imagem da UE também se manteve bastante estável, com 44% dos europeus com uma perceção positiva e 38% neutra, disse a Comissão Europeia, que vai apresentar os dados país a país nas diferentes capitais europeias.


As conclusões do Eurobarómetro para o inverno de 2021-2022 evidenciam uma ligeira tendência de “pessimismo” entre os europeus em relação ao inquérito da primavera de 2021, embora ressaltem que são bastante “positivas” para a maioria dos indicadores, sobretudo quando comparados com os resultados observados início da pandemia, em 2020.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.