Há três semanas, o Estado Maior foi alvo de um ciberataque “sem precedentes”, no qual terão sido retirados centenas de documentos secretos e confidenciais enviados pela NATO a Portugal e alguns deles colocados à venda na darkweb.