São mais 100 horas do que as fixadas em Acordo Coletivo de Trabalho, o que, para a FNAM, põe em causa a saúde de profissionais e a assistência aos doentes.