Forças pró-Rússia dizem que não há acordo para evacuar fábrica de Azot



“Ainda não há acordo sobre a abertura de um corredor humanitário de Azot para que civis e militares deponham as suas armas”, disse Rodion Miroshnik, embaixador na Rússia da autoproclamada República Popular de Lugansk, aliada de Moscovo.


O embaixador acusou as forças ucranianas pelo atraso, porque “se recusam a garantir um cessar-fogo, sem o qual nenhuma evacuação é possível”, de acordo com uma mensagem no seu canal Telegram, citado pela agência russa TASS.


A Ucrânia, por outro lado, garante que é a Rússia que está a impossibilitar a evacuação da fábrica, onde atualmente há “568 pessoas abrigadas, incluindo 38 crianças”, detalhou o responsável pela Administração Regional de Lugansk, Serhiy Haidai.


“No mês passado, quando propusemos, essas pessoas recusaram-se a retirar. Uma saída da fábrica só é possível com um cessar-fogo total”, disse Haidai, numa segunda mensagem no Telegram.


Na passada quinta-feira, as milícias de Lugansk conseguiram entrar na fábrica de produtos químicos, embora não tenham conseguido expulsar os soldados ucranianos.


A cidade de Severodonetsk é o último reduto das forças ucranianas em Lugansk e o cenário mais ativo de hostilidades nas últimas semanas.


As forças ucranianas isolaram-se nesta fábrica química numa manobra semelhante à realizada em Mariupol, onde o exército ucraniano se refugiou na siderurgia Azovstal, que acabou por cair, como toda a cidade, no poder de Moscovo.


A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia, que mereceu a condenação de grande parte da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição de sanções à Rússia.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.