John Lee. Rosto da repressão aos protestos pró-democracia é o novo líder de Hong Kong


O candidato Lee Ka-chiu, John, “obteve 1.416 votos”, sendo eleito chefe do executivo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, segundo indicaram as autoridades eleitorais no domingo.

O ex-agente policial de 64 anos foi o único candidato a suceder a líder cessante Carrie Lam, devendo substituí-la quando esta terminar o seu mandato de cinco anos no final de junho.



Lee é também o primeiro líder de Hong Kong de origem policial. Secretário para a Segurança no executivo da chefe do executivo cessante, Lee supervisionou as operações policiais para pôr fim aos protestos antigovernamentais que abalaram a cidade em 2019 e tornou-se, mais tarde, o rosto da polémica lei de segurança nacional.

Rent Your Home

CodeCult Creative Business Agency

Lee ingressou na força policial de Hong Kong em 1977, com apenas 19 anos. Rapidamente ganhou notoriedade pela sua política de linha dura e foi subindo na hierarquia. Em 2012, ingressou no Departamento de Segurança e em 2017 foi então nomeado chefe de segurança.

Foi sob o mandato de Lee que o Departamento de Segurança de Hong Kong apresentou o controverso projeto de lei de extradição que motivou os célebres protestos de 2019. O projeto de lei em causa autorizava extradições de criminosos para países sem acordos prévios, como é o caso da China continental. Os críticos denunciavam, assim, uma crescente interferência de Pequim na antiga colónia britânica.

Os protestos rapidamente se expandiram para um movimento pró-democracia e antigoverno, e apesar de o projeto de lei ter sido retirado, os manifestantes continuaram a sair à rua para exigir reformas democráticas mais amplas, como o sufrágio universal.

No auge da crise, os confrontos entre manifestantes e agentes policiais eram diários, com os manifestantes a arremessarem tijolos e cocktails molotov e a polícia a responder com gás lacrimogéneo, balas de borracha e, às vezes, munições reais.

De forma a colocar um ponto final nos protestos e a abafar qualquer dissidência, Pequim impôs a Lei de Segurança Nacional em junho de 2020. Descrita pelo governo de Hong Kong na época como “um passo crucial para acabar com o caos”, a lei proíbe a expressão de quase qualquer forma de dissidência e permite sentenças máximas de prisão perpétua.

Se Lee já tinha ganho notoriedade pelo seu papel na repressão aos protestos, a implementação da lei de segurança nacional cimentou a sua reputação como um líder autoritário e leal a Pequim.

Especialistas dizem que a repressão de Lee aos protestos e o apoio à lei de segurança nacional é precisamente o motivo pelo qual foi nomeado líder da região. “Esta é a recompensa pela lealdade”, disse Joseph Cheng, ativista pró-democracia, à CNN.

As promessas de Lee para Hong Kong

O currículo de Lee não deixa margens para dúvidas sobre o futuro de Hong Kong sob a sua liderança.

Sob o slogan “Iniciar em conjunto um novo capítulo para Hong Kong”, Lee prometeu um governo “orientado para resultados”, mas o programa de 44 páginas, publicado na semana passada, apresentou poucas medidas concretas.

Na campanha eleitoral, Lee prometeu reforçar a legislação de segurança e introdução a educação de “identidade nacional” – duas propostas há muito controversas. O novo chefe do executivo de Hong Kong comprometeu-se ainda a aumentar a oferta de habitação no mercado imobiliário mais caro do mundo, melhorar a competitividade da cidade e estabelecer uma base firme para o desenvolvimento de Hong Kong. Lee também manifestou apoio a uma lei contra as notícias falsas, aumentando os temores de ameaças à liberdade de imprensa.



“Sei que levarei tempo para convencer a população”, admitiu John Lee no domingo diante da imprensa. “Mas eu posso fazer isso através da ação”, sublinhou.

Lee salientou que quer construir uma Hong Kong “cheia de esperança, oportunidade e harmonia”, agora que as autoridades “restauram a ordem do caos”.

Reações à nomeação de Lee

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, defendeu no domingo que a nomeação de John Lee como líder do executivo de Hong Kong “viola os princípios democráticos e o pluralismo político”.

Através de uma publicação na rede social Twitter, Borrell apontou que o “processo de seleção” é “mais um passo no desmantelamento do princípio ‘um país, dois sistemas’”.

O chefe da diplomacia da UE vincou ainda que Hong Kong deve respeitar os seus compromissos nacionais e internacionais.

Ativistas e apoiantes pró-democracia também criticam as circunstâncias da eleição, para além de temerem o futuro de Hong Kong sob a liderança do homem que liderou a repressão ao movimento pró-democracia.

“Definitivamente não é, por qualquer meio ou parâmetro, um processo democrático”, disse Nathan Law, ativista de direitos humanos e ex-legislador local, agora em autoexílio no Reino Unido, à CNN. “É realmente apenas uma nomeação. Eu realmente não chamo isso de eleição”, acrescentou.


O Governo de Hong Kong classificou a eleição de Lee como “aberta, justa e honesta”, mas o novo líder foi, na verdade, nomeado por uma comissão eleitoral composta por 1463 membros, a maioria pró-Pequim. Na ausência do sufrágio universal, é esta comissão a responsável pela nomeação do líder para os cerca de 7,5 milhões de habitantes de Hong Kong.



c/ agências



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *