A Amnistia Internacional denunciou o que classifica como “repressão brutal” sobre os manifestantes.